As cooperativas são consideradas, de maneira geral, como instituições dos tempos modernos, ou seja, da época capitalista. Mas, há registros de que sempre existiram formas de cooperação na história da humanidade, que se aproximam muito do cooperativismo atual.
A história do cooperativismo dá como certo que a primeira cooperativa, organizada formalmente, foi a dos Tecelões de Rochdale. Os operários ingleses, especificamente os das tecelagens, passaram por um problema muito sério. À altura de 1830, aproximadamente, introduziram a máquina a vapor, como instrumento de tecnologia moderna. Cada máquina, tear mecânico, significava o desemprego de vários operários. Assim, o que levou os operários a se unirem, foi o desejo de se protegerem contra o desemprego.

Com essa união, em 28 de outubro de 1844 no distrito de Rochdale, 27 homens e 1 mulher tornaram-se associados da primeira cooperativa de trabalhadores, a Rochdale Equitable Pioneers Society Limited. Com o capital de 1 libra cada um, esses operários abriram um armazém para fornecimento de alimentos.

Mais tarde, o regime moderno, do liberalismo econômico, da liberdade do trabalho e da associação, formou o ambiente próprio para a criação de associações cooperativas de todas as espécies. As Cooperativas começaram a conquistar seu espaço e a se desenvolverem no século XIX. Estavam elas, destinadas a substituir a empresa comercial capitalista.

O Cooperativismo hoje, deve ser considerado um sistema que funciona em coexistência com o setor público e o setor privado. Os três, em conjunto, formam a economia nacional. Vivemos em uma economia mista, onde o Cooperativismo passa a ser um de seus fatores.

Fonte: Confebrás